quinta-feira, 15 de fevereiro de 2018

PROJETO BURN BOOK

Olá, bebês! ♥

Se não assistiu Mean Girls - Meninas Malvadas, no Brasil -, você não pode sentar com a gente! Até porque, não irá entender a referência por trás deste novo projeto de escrita.

Traduzido como Livro do Arraso, é onde As Plásticas - ou As Poderosas -, lideradas por Regina George, escreviam boatos maldosos sobre outras garotas do Colégio North Shore.
Foto: Aww Sam

Apresento-lhes o que será uma série de postagens mensais, Projeto Burn Book! Mas antes, um breve resumo:

Burn Book - Traduzido como Livro do Arraso, é onde As Plásticas - ou As Poderosas -, lideradas por Regina George, escreviam boatos maldosos sobre outras garotas do Colégio North Shore.

Inspirado naquilo que conhecemos como “pote de lembranças” e em minhas retrospectivas já escritas, o PBB trará a seguinte proposta: Reflexão.

Particularmente, 2017 foi um ano obscuro em termos emocionais e psicológicos. Então, refletir sobre determinados acontecimentos contribuiu para o desenvolvimento de minha conduta atual, se tornando um hábito.

Apesar do título, o PBB não terá intenção nenhuma de prejudicar outras pessoas, mas sim, comentar sobre os acontecimentos mais interessantes do mês anterior e conseqüentemente, movimentar o Necro Side - que esteve abandonado, eu sei...

Ao longo das postagens, vou selecionar os fatos mais significativos para, no fim de ano, escrever minha Retrospectiva 2018 e assim, comparar o crescimento pessoal - ou não - em relação aos anos anteriores. Porque com Mean Girls, dentre várias lições de moral, aprendi que o “veneno” deve ser extraído!

Então, nos vemos em março! 

quinta-feira, 14 de dezembro de 2017

ODIN'S KRIEGER FEST - INVASÃO PIRATA

Olá, bebês! ♥

Há três meses, comprei ingressos para o Odin’s Krieger Fest, ao qual nunca havia participado. Inicialmente, para prestigiar o Christopher Alestorm, grande atração do evento mas, o line-up contava com mais quatro bandas brasileiras, todas com músicas autorais e temática folclórica - as quais, tive prazer em conhecer.


Odin's Krieger Fest
Fonte

Primeiramente, vou apresentar lhes ao evento! Para aqueles que não o conhecem, Odin´s Krieger Fest é um grande festival folk/viking que, desde 2011, trouxe mais de 30 bandas em suas três primeiras edições, naquele mesmo ano.

Se aventurando pela América Latina, a Invasão Pirata foi uma edição especial. Nela, você encontrava a tradicional exposição e venda de produtos medievais, cervejas, hidromel, além do indispensável rum. E, ao contrário das encenações de batalhas medievais, a Briga de Convés ficou por conta dos próprios marujos, por assim dizer.

O line-up com as bandas presentes nesse dia, 02/12 - dependendo da localidade, houve algumas alterações -, você confere logo abaixo:


LOTHLÖRYEN

Odin's Krieger Fest
Foto: Sérgio Scarpelli

Banda brasileira de folk metal, cujas letras são bastante influenciadas pela mitologia de J.R.R. Tolkien. A Lothlöryen possui inspirações que vão de Beatles, Jethro Tull e Led Zeppelin até Savatage, Gamma Ray, Running Wild, Tuatha de Danann, Grave Digger e Blind Guardian - esta última, como maior influência.”

• Integrantes:

Daniel Felipe - Vocalista
Leko Soares - Guitarra
Tim Alan Wagner - Guitarra
Marcelo Godde - Baixo
Marcelo Benelli - Bateria
Leo Godde - Teclado


Obs.: Infelizmente, perdi esse show.


ELDHRIMNIR

Odin's Krieger Fest
Foto: Sérgio Scarpelli

Banda de acoustic folk de Santa Isabel - SP. Calçada em canções originais e covers expressivos com muita energia. Tem influências em Tuatha de Danann, Omnia, Mr. Hurley & Die Pulveraffen e Flogging Molly - música tradicional irlandesa.

• Integrantes:

Luan Unelmoija - Multi Instrumentista / Vocalista
Dênnys Silva - Percussão / Vocal de Apoio
Francisco Carvalho - Violinista
Rafael Gomes Ruanitto - Violão
Felipe Cesar - Multi Instrumentista

Ouça Eldhrimnir no Spotify! ♫


CONFRARIA DA COSTA

Odin's Krieger Fest
Foto: Sérgio Scarpelli

“Seu som celebra as aventuras e desventuras do mar. Do convés aos porões dos navios, piratas bêbados fazem das canções um motivo de alegria, uma festa de bombordo à estibordo, da proa à popa. (...) Contém altas doses de rum, motins, rebeldia e boas músicas que remetem às costas do Caribe, à velha Europa dos ciganos belgas e ainda, às canções dos Balcãs enfim, uma música nômade, de alma eslava, deslavadamente, viril e vigorosa. Vida longa há esses piratas no seu melhor sentido. - Luiz Ferreira

• Integrantes:

Ivan Halfon - Multi Instrumentista / Vocalista
Luiz Pantaleoni - Baixo Elétrico / Contrabaixo / Vocal de Apoio
Abdul Osiecki - Bateria / Vocal de Apoio
Richard Lemberg - Violino
Anderson Lima - Guitarra / Vocal de Apoio
Jhonatan Carvalho - Sax / Trompete / Vocal de Apoio
André Nigro - Percussão

Ouça Confraria da Costa no Spotify! ♫


Terra Celta

Odin's Krieger Fest
Foto: Sérgio Scarpelli

Com influências da música folclórica, européia e em especial, a música tradicional da Irlanda, Escócia e Bretanha, o Terra Celta traz ao público brasileiro um “folk rock” enérgico e performático. Valendo-se de canções que são um convite para a participação do público, figurinos e instrumentos exóticos, o grupo leva ao público uma apresentação totalmente interativa, levando até os mais sisudos a entrarem na dança! O Terra Celta traz a fusão de vanguarda da música celta à música brasileira, incrustando elementos étnicos ao rock’n roll brasileiro e unindo diferentes tribos em torno de algo muito maior que qualquer definição estilística… a DIVERSÃO!!!

• Integrantes:

Elcio Oliveira - Multi Instrumentista / Vocalista
Alexandre Arrigo Garcia - Acordeão
Edgar Nakandakari - Multi Instrumentista
Luís Fernando Nascimento Sardo - Bateria / Percussão
Eduardo Brancalion - Multi Instrumentista
Bruno Guimarães - Contrabaixo

Ouça Terra Celta no Spotify! ♫

ALESTORM

Odin's Krieger Fest
Foto: Sérgio Scarpelli

Alto aí, seus piratas de águas doces! Das profundezas mais sombrias do Caribe, vem ALESTORM, uma banda de piratas bêbados numa jornada épica para beber sua cerveja, roubar seu rum e ser a maior banda que já navegou pelos sete mares!

De início humilde, tocando para animais de fazenda em algum lugar da Escócia Ocidental, Alestorm evoluiu para uma máquina de festas internacional, determinados à conquistarem os palcos de festivais através do mundo, com sua infecciosa marca de “Metal Pirata” e elegantes figurinos. De alguma forma, conseguiram convencer centenas de milhares de pessoas da Nova Zelândia à Argentina, Lituânia e de outro lugares - exceto Paraguai -, que é legal usar chapéu de pirata e cantar canções estúpidas sobre beber e roubar navios. Então preparem seu baços, porque Alestorm está vindo para chutar bundas e mascar chiclete. E estão todos fora de si.

Também, temos um pato inflável gigante. Sua banda tem um pato inflável gigante? Não. Eu achei que não. 

• Integrantes:

Christopher Bowes - Vocal / Teclado
Gareth Murdock - Baixo
Peter Alcorn - Bateria
Elliot Vernon - Teclado
Máté Bodor - Guitarra

Como disse anteriormente, cheguei atrasada no OKF então, procurei um local próximo à grade - e adivinhem...? PEGUEI GRADE, PORRA! Justamente por esse motivo, não posso me aprofundar sobre a organização do evento. Porém, a respeito do line-up, posso dizer que foram escolhas perfeitas, ao meu ponto de vista. Uma edição, realmente, especial e memorável, com certeza!

Entretanto, minha única reclamação é referente há um público restrito que participou desse OKF - que nem de longe, estragou o momento, claro - totalmente, sem noção e desrespeitando o espaço alheio. Se vocês estiverem lendo essa publicação ou se identificarem com minhas palavras, entendam que beber, festejar e banguear é um direito seu e em nenhum momento, estou discordando disso. Mas, quando passa a prejudicar o rolê dos outros, cara... Repense suas atitudes principalmente vocês, mulheres com mania de disputarem entre si. Pude presenciar alguns princípios de confusões inclusive, comigo.

Quem vamos ao próximo Odin's Krieger Fest?